Mais uma do Ebóla

Em março de 2015 foi descrito um caso de transmissão sexual do vírus Ebóla na Libéria, África, saiu  no New England Journal of Medicine.

A paciente que apareceu com a doença, após a epidemia, teve uma investigação minuciosa e constatou-se que seu marido, um sobrevivente da doença, curado, apresentava, quase 180 dias depois de sua recuperação, a presença do vírus em seu sêmen.

É o primeiro caso descrito de transmissão sexual do vírus Ebóla no mundo.

Tosco, no mínimo, não?

 

 

Sobre o Autor
Dr. Homero Guidi
Dr. Homero Guidi